Trump

arالعربية frFrançais enEnglish esEspañol deDeutsch

Senhor Presidente,

Estamos totalmente conscientes e sensibilizados por ter dado atenção ao estatuto de Jerusalém nestes últimos dias. Seguimo-lo com atenção e julgamos ser nosso dever enviar esta carta a Vossa Excelência. Em Julho de 2007, dirigimos uma carta semelhante aos resposáveis políticos que se encontravam reunidos em Camp David para decidir o estatuto de Jerusalém, e estes tiveram a bondade de tomar em consideração a nossa carta. Hoje, Senhor Presidente, estamos certos que vai também ter em consideração o nosso ponto de vista quanto à importância do estatuto de Jerusalém.

A nossa terra tem a vocação de ser uma terra de paz. Jerusalém, Cidade de Deus, é uma cidade de paz para nós e para o mundo. No entanto, infelizmente, a nossa Terra Santa e a cidade de Jerusalém são hoje uma terra de conflito.

Todos os que amam Jerusalém têm o desejo de trabalhar para que ela seja uma terra de paz, de vida e de dignidade para todos os seus moradores. As orações dos crentes que nela vivem – as três religiões e os dois povos a que a cidade pertence – viram-se para Deus para pedirem a paz tal como o salmista (80,14) “Oh! Deus dos céus, volta-te para nós e vê!” Inspira os nossos responsáveis políticos e enche os seus espíritos e corações de justiça e de paz.

Senhor Presidente, seguimos com toda a atenção as notícias relativas à possibilidade de os Estados Unidos mudarem a forma como veem e como querem fazer evoluir o estatuto de Jerusalém. Estamos certos que esta iniciativa terá como consequência um aumento de violência e de sofrimento em Jerusalém e na Terra Santa, que nos impedirá de alcançar a unidade e nos mergulhará numa divisão destruidora. Pedimos-lhe, Senhor Presidente, que nos ajude a avançar, todos juntos, para o amor e para uma paz definitiva, que não nunca poderão ser alcançados sem uma Jerusalém que pertença a todos.

Nós aconselhamos solenemente e pedimos veementemente que os Estados Unidos continuem a reconhecer o actual estatuto internacional de Jerusalém. Qualquer mudança brusca poderá causará danos irreversíveis. Acreditamos que, com o forte apoio dos nossos amigos, Israelitas e Palestinos podem trabalhar para negociar uma paz justa e duradoura favorável a todos os que desejam que a Cidade Santa cumpra o seu destino. A Cidade Santa pode ser partilhada e ser a alegria de todos se um processo político ajudar a libertar os corações de todos os povos que nela vivem das condições de conflito e de destruição que sofrem.

Vamos celebrar em breve a Nascimento do Senhor. É uma festa de Paz. Os Anjos cantaram no Céu: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que O amam.” Neste tempo do Advento, desejamos de todo o coração que Jerusalém não seja privada de paz e pedimos, Senhor Presidente, que nos ajude a ouvir o cântico dos anjos. Nós, chefes das Igrejas Cristãs de Jerusalém, convidamo-lo a caminhar connosco na esperança de conseguirmos construir uma paz justa e inclusiva da Única e Santa Cidade.

Os Patriarcas e Chefes das Igrejas de Jerusalém

+ Patriarca Teófilo III, Patriarca Grego-ortodoxo

+ Patriarca Nourhan Manougian,  Patriarca Arménio Apostólico Ortodoxo

+Monsenhor Pierbattista Pizzaballa, Administrador Apostólico, Patriarcado Latino

+ Fr. Francesco Patton, ofm, Custódio da Terra Santa

+ Monsenhor Anba Antonious, Patriarca Copta Ortodoxo

+ Monsenhor Swerios Malki Murad, Patriarca Sírio Ortodoxo

+ Monsenhor Aba Embakob, Patriarca Etíope Ortodoxo

+ Monsenhor Joseph-Jules Zerey, Patriarca Grego-Melequita-Católico

+ Monsenhor Mosa El-Hage, Exarca Patriarcal Maronita

+ Monsenhor Suheil Dawani, Igreja Episcopal de Jerusalém e do Médio Oriente

+ Monsenhor Munib Younan, Igreja Evangélica Luterana da Jordânia e Terra Santa.

+ Monsenhor Pierre Malki, Exarca Patriarcal Sírio Católico

+ Monsenhor Georges Dankaye’, Exarca Patriarcal Arménio Católico

Fotografia: ©Thomas Charrière

image_print
Designed and Powered by YH Design Studios - www.yh-designstudios.com © 2017 All Rights Reserved
X